terça-feira, 27 de setembro de 2011

Premonição 5 - Imax 3D Review

A história já está batida e a fórmula todos nós conhecemos: um grupo de jovens é salvo de um acidente por uma visão de um deles. Acontece que a morte, o destino ou seja lá qual força sobrenatural, começa a matá-los na ordem em que deveriam ter morrido na tragédia.
Os produtores, pela quinta vez, conseguem criar mortes criativas e atrair uma multidão para as salas de cinema. Desta vez pagando salgados ingressos das exibições em três dimensões.
Veja aqui o meu Review sobre Premonição 5 em Imax 3D.
Roteiro
Se observarmos a estrutura dos filmes da franquia Final Destination, esbarramos em uma série de clichês e repetições da fórmula que poderia tornar a experiência de cada filme mais desinteressante e cansativa que o anterior. Exatamente por isso o meu conselho é que se abstrai do senso crítico por 90 minutos, porque de outra forma, você verá que queimou o seu dinheiro para ver mais do mesmo.
Ignorando por completo então a estrutura do longa, vemos aqui um roteiro que funciona para atender aos seus objetivos: divertir a plateia. Coisa que, ao meu ver, ficou falho no segundo e quarto filme da franquia. Afinal, não tem como o público torcer para a sobrevivência do mocinho ou até mesmo para a "morte" nas cenas com os personagens mais irritantes, que estão sempre presentes, se o roteiro não conseguir prender a atenção e envolver em sua narrativa. Coisa que aqui é bem feitinho.

O roteiro consegue criar um clima propício ao susto e à diversão. Além de conseguir o impossível: revigorar a franquia. Com um argumento novo, os sobreviventes não precisam ficar apenas fugindo desesperadamente da morte, agora eles podem trocar o tempo de vida de um inocente pelo seu. Para isso, basta matá-lo. Pode parecer pouco, mas essa nova dinâmica ajudou a construir o clima de tensão e interesse do filme.

Mortes
Sem nenhuma contestação, as cenas de morte, sobretudo o acidente inicial, são os momentos mais esperados de qualquer filme da franquia. Neste em questão temos, em minha opinião, a mais impressionante cena inicial, com o acidente acontecendo em uma ponte.
Mas a morte com maior clima de tensão e que deve deixar todos, seja em exibição 2D ou 3D é a que acontece no meio de um treinamento de ginástica olímpica. Só ela ja vale o ingresso.
Não vou me deter muito aqui para não soltar nenhum SPOILER e deixar a diversão e surpresas por conta de cada um.

Imax 3D
Assisti o filme na sala Imax 3D do Shopping Bourbon, que foi a primeira do Brasil e a única do estado de São Paulo. Quem conhece os cinemas Imax mundo à fora costumam criticar a versão tupiniquim por não ser fiel ao tamanho da tela original. Como eu não conheço as dimensões das gringas, considero a sala impressionante e a melhor opção para ver filmes, sobretudo 3D. A definição da imagem, som e o tamanho da tela, correspondente a um prédio de três andares, realmente cria uma nova atmosfera para qualquer filme.

Como não poderia ser diferente, a experiência no Imax foi mais do que satisfatória. Os produtores conseguiram criar algumas cenas em 3D com profundidade assustadora, com direito a dezenas de objetos perigosos e litros de sangue

DouglasFerT Review
A franquia Premonição não deve ser levada a sério e esta é sua principal virtude. O quinto filme é perfeito no quesito diversão e utiliza o 3D para levar a plateia à loucura. Vale a pena para  os entusiatas da tecnologia e os amantes de alguns sustos na poltrona, combinados com muitos momentos de tensão.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Facebook vira bar virtual

O aplicativo Shaker, vencedor da competição de Satart-ups promovida pelo blog de tecnologia TecCrunch, transforma o Facebook em um bar virtual bem ao estilo de The Sims, Habbo Hotel e Second Life
Onde As Coisas Acontecem...

Ao entrar você se transforma em um avatar com a sua foto e pode escolher alguns andares disponíveis para passear, conversar e tomar alguns "bons drinks" com os usuários que estiverem on line. è possível interagir com qualquer um e os seus amigos da Face são identificados na cor azul, os amigos de amigos com a cor amarela e todos os outros de branco.
Dentre as interações é possível conversar em grupo, 'dançar', pagar uma bebida (free), visualizar as fotos do álbum e ainda conferir o que vocês tem em comum, dentre outras coisas.

Sem dúvida nenhuma, a integração com as informações do seu perfil no Facebook é o que de melhor traz o Shaker, que ainda conta com uma rádio on line e um mural com os itens mais curtidos pelas pessoas da sala e uma timeline do Twitter.


Vai Pegar
O aplicativo já levantou US$ 3 milhões em financiamento e tem tudo para conquistar os brasileiros, que já são maioria absoluta entre os usuários. Para um futuro próximo se espera o aumento de funcionalidades, salas temáticas e publicidade, muita publicidade!
Creio que as empresas que saírem na frente e enxergarem o potencial do app, vão se dar bem realizando as primeiras parcerias comerciais. As possibilidades são infinitas e um serviço como esse tem demanda garantida, tanto pelos saudosistas do mal sucedido Second Life como pelos internautas que estão á procura de uma substituição para a pegação no Facebook que substitua as cutucadas.


Série Ringer - Estreia

O ano escolar começou agora em Setembro no hemisfério Norte e é época de estreia de novas séries e temporadas na TV Americana. Uma das primeiras a ir ao ar e que vale a pena ser visto pelos amantes da eterna Buffy Caça Vampiros (Sara Michelle Gellar) é Ringer, que traz de volta a atriz para a televisão.


A história gira em torno de duas irmãs gêmeas, Bridget e Siobhan, interpretadas por Gellar, que vão lembrar (e muito) as novelas Mulheres de Areia (que re-re-reestreou nesta semana na Globo) e A Usurpadora. A final, todos nós já vimos demasiadamente a história clichê clássica da irmã boa e irmã má.

Tudo começa quando Bridget (a gêmea boa), que se perdeu na vida e é testemunha chave de um assassinato, foge do FBI para encontrar a irmã que não vê há mais de 6 anos. Siobhan (Gêmea má) é uma mulher rica e misteriosa que, durante um passeio de barco com Bridget se suicida. E aí está o momento novelesco da série: a gêmea boa aproveita-se da situação e assume a identidade da irmã, enganando a todos e deixando seu passado problemático (e perigoso) para trás.
Acontece que ela encontra um emaranhado de mentiras e traições, bem melodramáticas diga-se de passagem, revelando que nada é o que parece na vida de Siobhan, que nem está tão morta quanto parece.

Veja o trailer da série, que praticamente resume o Piloto em 3 minutos:

Apesar dos clichês, atuações que não são dignas de nenhum Emmy e furos no roteiro, a série promete uma boa diversão com muito suspense e melodrama. Vale a pena ser vista para matar um pouco a saudade de Buffy e o primeiro episódio deixa um gostinho de quero mais para o que vem por aí.

Audiência
O Piloto, que foi ao ar na última terça feira, 13, estreou bem em audiência, atraindo 2,74 milhões de telespectadores e conquistando o melhor número da emissora THE CW  para o horário nos últimos três anos. Resta agora saber se na semana que vem, com as estreias dos canais concorrentes, a série consegue repetir os bons números. Eu mesmo já estou à espera dos capítulos seguintes desta "novela americanizada".

sábado, 10 de setembro de 2011

Facebook dominou o Brasil, e agora?

Um dos assuntos mais comentados no início desta semana foi a notícia já esperada de que o Facebook superou o Orkut em número de usuários brasileiros. Segundo a revista Isto É Dinheiro, a rede social de Mark Zuckerberg fechou o mês de agosto à frente do, até então, site líder no país, com mais de 30 Milhões de cadastrados. 
Apesar de relativamente já aguardada, a notícia parecia não ser exatamente essa quando o IBOPE, fonte citada pela reportagem, não reconheceu os números. Mas poucos dias depois, na última sexta feira, 09, o instituto voltou atrás e resolveu se pronunciar, confirmando os dados oficiais e o fato de que o Facebook dominou o Brasil!

Após um reinado de sete anos, finalmente o Brasil, último país das Américas em que o Facebook não dava as cartas, se rendeu à maior rede social do mundo. Esta já era uma tendência esperada e os motivos que levaram isso a acontecer todos já conhecem. Agora fica a pergunta: o que vai acontecer com o Orkut e o futuro das redes sociais por aqui?


E agora, o Orkut morreu!?
Eu já falei sobre a morte anunciada do Orkut em um post inteiro defendendo o porquê da rede social do Google estar mais viva que muita gente por aí. Mas agora que o Facebook o superou em número de usuários no país, o quadro mudou? A resposta continua sendo negativa.
Os dados apenas comprovam uma tendência inevitável que começou cerca de um ano atrás, migrar, ou pelo menos criar uma conta no Facebook, se tornou um movimento irreversível. De agora em diante, as empresas vão continuar a incentivar cada vez mais o uso da rede social de Mark Zuckerberg e os círculos de amigos passaram cada vez menos tempo no Orkut. Este movimento já fez e continuará fazendo todas as classes e grupos sociais à criar uma nova conta.

E agora Google?
Os motivos que já foram defendidos à favor da sobrevida do Orkut continuam válidos. Mas por quanto tempo? O grande problema que o Google terá que resolver, se optar por continuar investindo, é torná-lo interessante para as empresas. Investir hoje no site é caro, você tem que contratar alguém especializado em mídias sociais, pagar por um espaço de publicidade ou fazer parceria com o gigante da internet para estar ali. Já no Facebook, basta criar uma Fan Page gratuitamente e manter um profissional (ou equipe) fazendo a manutenção. Fora as possibilidades quase que infinitas oferecidas pelo Face. Além disso, a imagem do Orkut está manchada com pedofilia, crimes digitais e Spams.
Sem concertar estas questões, por mais que ainda tenha uma base de usuários gigantesca, será apenas questão de tempo até que o site feche suas portas e apenas o Google+ sobreviva para, pelo menos tentar, combater de frente a rede social do momento.

E o Futuro?
Alguns acreditam que o Facebook irá dominar sozinho de agora em diante as redes sociais, enquanto outros apostam suas fichas em um futuro promissor para o Google+. Já eu creio que os números devem ficar próximos um dos outros nos próximos meses. Esta história de que uma mídia nova mata a anterior já está mais do que provada ser uma falácia de mão cheia. Juntando isso ao fato de que cada vez mais as pessoas estão à procura de diferentes fontes de informação e formas de interação. Muito provavelmente alguns sites ficarão segmentados para alguns nichos e outros terão acessos simultâneos do mesmo público. Afinal, cada um tem uma finalidade diferente e em diversos momentos, serão utilizados por motivos díspares.


Mas este é apenas um palpite. Qual é o seu? 

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Sky HDTV - Review

Sou assinante Sky desde a longínqua época da Directv. Diversas vezes já critiquei a qualidade da tv por assinatura no Brasil, inclusive da operadora em questão. Mas venho até aqui fazer um mea-culpa com um Review completo sobre o SKYHD.

É inevitável ao adquirir uma tv de alta definição, já sendo assinante SKY, solicitar um pacote HD para testar o poder da sua tela. Realizei o pedido no último dia 20 de julho e para minha surpresa apenas um dia depois já foi agendado a instalação.

Decoder Interativo
O primeiro ponto que chama atenção é o decoder oferecido para os assinantes do pacote e suas possibilidades (Sky HDTV Plus). Com ele é possível, dentre outras coisas, pausar a programação, voltar qualquer programa para rever alguma cena e até mesmo, de forma simples e intuitiva, gravar até dois programas simultaneamente. O HD de 500 Gb possibilita o armazenamento de até 400 horas de conteúdo Standard ou até 100 horas em alta definição.
O cliente ainda recebe um outro aparelho para receber sinal da TV Digital Aberta. Para isso é necessário a instalação de cado e antena UHF - não fornecidos ou instalados pela operadora #FAIL. Assim, você pode desfrutar da qualidade dos canais abertos em HD disponíveis na sua cidade em conjunto com todas as funções interativas. E vale dizer que é uma boa opção principalmente para quem comprou uma televisão um pouco "mais antiga", sem conversor digital.

Canais HD
A quantidade de canais HD oferecida agrada. São até 28, porém posso dizer apenas referente aos 26 do pacote HDTV Cinema 2011. A programação vai de espelhos dos canais Standard (como é o caso da Sony HD) até conteúdo exclusivo e horários alternativos (Multishow HD, por exemplo).
Infelizmente muita programação empacotada como HD não cumpre o que promete. O canal Warner Channel HD é um desses casos (infelizmente não o único), exibindo no canal mais de 90% de conteúdo Standard. Muitas vezes isso faz questionar o alto valor da mensalidade (item que avaliarei mais a frente). #FAIL²
Ainda tem o HD convertido de programas que não foram concebidos originalmente em alta definição, também frustrando àqueles que querem testar o máximo da potência do televisor.

Qualidade de Imagem
Para novos assinantes a dica é assistir aos documentários dos canais NatGeoWild e HD Theater. Uma boa amostra para a percepção do quanto valeu a pena a aquisição da TV e da assinatura.
Quando o conteúdo foi gerado e é exibido em alta definição, a qualidade costuma impressionar e nesse quesito a Sky não desaponta. O som também faz jus ao investimento. Talvez eu colocaria aqui uma ressalva para os canais HBO, não que a qualidade seja necessariamente ruim, mas em comparação com a Rede Telecine, deixa um pouco a desejar.

Sky On Demand 
A operadora oferece, exclusivamente para assinantes do pacote HD, o que tende a ser o futuro da televisão: conteúdo sobre demanda. Funciona assim: você escolhe determinada programação em alta definição, compra e ela fica disponível por 24 horas para começar a hora que preferir.
O valor é de R$9,90.Pode parecer salgado, principalmente para quem já desembolsa quase meio salário mínimo na assinatura. Porém, se considerarmos o preço da locação de um Blu-ray nas locadoras e o fato de que os filmes são disponibilizados no mesmo dia em que o lançamento é feito em Home Vídeo, muitas vezes chega a ser mais barato ou, no mínimo, compensador.
Aqui porém tem um defeito que pode desagradar a alguns (como eu), os filmes são baixados no seu decodificador previamente, para que baste você efetuar a compra e apertar o Play do controle remoto para começar a assistir. Acontece que esse processo nem sempre é instantâneo. Pode acontecer do seu filme escolhido não estar disponível no seu aparelho e você ter que esperar por até 72 horas para poder desfrutá-lo. Sendo assim: é possível comprar no sábado a noite uma programação que só estará disponível na terça a tarde. #FAIL³
Pelo menos por enquanto, apenas filmes estão disponíveis neste sistema, mas a Sky promete (em breve) que irá disponibilizar outros conteúdos, como Shows e Eventos Esportivos.


Atendimento
Apesar de não ser uma exclusividade dos assinantes dos pacotes HD, o atendimento da Sky melhorou muito nos últimos anos. Com destaque para o menu "descolado" e intuitivo no Call Center. Óbvio que tem muito ainda a evoluir na questão de atendentes, mas o salto de uns tempos para cá foi enorme.
A operadora ainda disponibiliza um Chat 24 por dia, 7 dias por semana, para tirar dúvidas e atender à reclamações em seu website.

Redes Sociais
A atuação da operadora nas Redes Sociais, tanto em atendimento como relacionamento, é de causar inveja à muitas empresas por aí. Atende as reclamações prontamente (tanto via Twitter como Facebook), não as apaga (o que, apesar de parecer óbvio, é constantemente feito por aí) e ainda liga para o cliente resolvendo qualquer problema de forma poucas vezes vistas no Brasil.
Posso dizer tudo isso com propriedade pois nos primeiros dias realizei diversas reclamações e solicitações e sempre fui mais do que satisfatoriamente atendido nas redes. 
Existem ainda algumas ações de conteúdo, como foi o caso do Show do Jota Quest, em comemoração aos 15 anos da Sky e transmitido de graça no Facebook.


iPhone, iPad e Android
Apesar da interatividade do decoder, quantidade de conteúdo em HD e outras inovações já citadas aqui neste post, o aplicativo para celular e plataformas móveis é, sem dúvida nenhuma, a mais impressionante e útil. 
Com ele você consegue, por exemplo, realizar desde consultas à suas faturas e cadastro até a compra de programação e enviar um sinal direto para sua casa comandando o decodificador à gravar determinado programa. Isso mesmo, de onde você estiver é possível controlar a sua TV. Ta aí um diferencial que faz valer a pena a mensalidade da sua assinatura.

Custo X Benefício
O preço é a questão mais delicada do Sky HDTV. Aliás, é um problema de todo o setor de tv por assinatura no país, não condiz com a realidade da população. Os valores vão de 200,00 (SKY HDTV Mix Futebol 2011) a 300,00 (HDTV TOP 2011). Em um ano, sem contar conteúdos avulsos, você pode ter gasto 3.600,00 só em assinatura de tv paga. Isso sem contar no valor da Tv de alta definição. 
Se os valores são baratos ou caros vão depender diretamente das condições sociais de cada um e da prioridade individual dada à televisão e o entretenimento domiciliar.

DouglasFerT - Review
Falando estritamente da Sky HD, os benefícios oferecidos ao assinante, como a interatividade e qualidade de atendimento (que apesar de necessitar de melhoras, é a cima da média do mercado), assim como a qualidade de imagem e áudio, fazem compensar o valor da assinatura, principalmente para aqueles que recentemente adquiriram um televisor de ultima geração e se sentem carentes de conteúdo em alta definição.
Nota: *****


sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Ths Sims Social - Review

Começo hoje a escrever uma série Reviews sobre produtos, lançamentos, tecnologia, filmes e afins... Serão textos concisos, feitos especialmente para quem passa por aqui e quer um rápido resumo e crítica sobre determinado tema. 
Para o ponta pé inicial, nada melhor que unir as três vertentes principais do Blog: Mídias Socias, Cultura Pop e Tecnologia, falando sobre o game que mais cresce atualmente no mundo todo. Estou falando da nova febre do momento nos jogos sociais, o The Sims Social - para Facebook.


O título, que foi lançado no último mês de Agosto, é resultado da parceria entre a Electronic Arts e PlayFish e se baseia na bilionária franquia de sucesso The Sims, onde o jogador brinca de Deus controlando a vida de seus "personagens virtuais".
Até agora o game alcançou a marca expressiva de 10 milhões de usuários em menos de 3 semanas. Segundo pesquisa da AppData, este número deve ultrapassar a estrondosa marca de 75 milhões de jogadores, passando na frente do atual número um do Facebook - CityVille, ainda no mês de setembro.

Jogando
Para instalar o jogo no seu perfil do Facebook basta acessar a página oficial  e clicar em Ir para o Aplicativo.

Antes de mais nada, vale dizer que, pelo menos por enquanto, o conteúdo é todo em inglês, o que pode afastar aqueles que não tem conhecimento no idioma. Mas o game é bem intuitivo e visual. Com um nível básico de conhecimento na língua você já consegue sair jogando. 

Assim como no título original, a primeira coisa a se fazer é criar o seu Sim, como é chamado o personagem do jogo. Você pode, dentre outras coisas, escolher o nome, cor da pele, algumas características físicas e uma das 9 personalidades disponíveis, que vão determinar se o seu Sim será um Geek, Atleta, Socialite, dentre outros. Escolha aqui também o seu penteado, cor dos cabelos, roupas e acessórios. Dica: Não se apresse nesta etapa, brinque bastante com as possibilidades até ficar completamente satisfeito, qualquer alteração posterior terá que ser paga -algumas delas com dinheiro real.

Depois de definir todos os traços do seu personagem, inicia-se um treinamento básico com as principais funcionalidades do jogo. Preste um pouco de atenção, mas não é nada muito difícil.

Agora é só diversão: Fique sempre atento à barra de necessidades do seu Sim, visite seus amigos clicando no ícone inferior com a imagem de cada um deles e comece a juntar pontos e dinheiro para aumentar a sua casa e mobiliá-la com os objetos mais descolados. 
Dica: Realize as tarefas que aparecem no canto esquerdo da tela e aumente seus pontos e recompensas.

Você poderá fazer amizades, inimizades e até casar. Pelo menos neste estágio inicial, ainda não está liberado a função de ter filhos e poder controlar uma família inteira de uma vez, uma das tarefas em que os fãs da franquia original mais podem sentir falta. Mas o fato de você estar jogando com os seus amigos do Facebook garante, no mínimo, algumas horas de diversão.

Não é possível interagir em tempo real com outros jogadores, mas você tem a opção de visualizar alguns acontecimentos de seus amigos quando eles te visitaram. 
Ficamos todos aguardando a possibilidade de dar uma festa em tempo real, com chat e a possibilidade, tão pedida pelos fãs, de poder matar os personagens.

O jogo segue o modelo Freemium onde todos podem jogar gratuitamente, mas para realizar diversas atividades mais rapidamente e poder comprar alguns itens exclusivos é preciso abrir a carteira para comprar SimCach - dinheiro virtual - e outros apetrechos disponíveis.

DouglasFerT - Review
Apesar de não poder contar com funcionalidades marcantes da franquia, como cuidar de uma família inteira e até mesmo matar o próprio personagem, o game consegue agradar aos fãs e angariar uma nova legião de seguidores. O único problema é que sua rentabilidade no expediente do trabalho pode sair bem prejudicada com o jogo aberto. #Viciante 
Nota: *****


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Agência Twiser é parceira do Pixel Show 2011

A agência digital sorocabana Twiser firmou parceria com o Pixel Show - Conferência Internacional e Feira de Arte & Design - que será realizada em São Paulo nos dias 15 e 16 de Outubro.
O evento é referência no mundo todo na área de Design e na edição deste ano deve contar com 12 palestrantes do mundo todo, workshops, feira de arte, exposições, festival de animação, sessões de live painting com artistas consagrados e muito networking.



O porta-voz da Twiser, em entrevista exclusiva para o Blog, contou que a agência será responsável por toda a divulgação online do evento Pixel Show no Facebook, desenvolvimento de APIs (FanPage e banco de dados) e a ativação dos mais de 1 milhão de seguidores Twiser.
Em contrapartida a agência será identificada, junto com a Agência Zupi, como apoiadores, tendo monitoramento em tempo real nas redes sociais, no site oficial e na campanha de e-mail marketing. Além da distribuição de brindes aos participantes no local do evento.
A empresa firmou ainda parceria para ser a agência digital da Zupi e vai estar presente na Revista da agência, que conta com distribuição internacional.

A parceria deve dar fruto também para a realização de uma campanha nas universidades para a divulgação do evento e distribuição de convites aos estudantes.

Pixel Show
Organizado pela agência Zupi, o evento nasceu em 2005 e atualmente acontece em três lugares do Brasil: São Paulo, Porto Alegre e Recife. Com uma programação imperdível, o Pixel Show reúne profissionais do mundo das áreas de ilustração, games, concept art, design, animação, cinema,i ntervenção urbana, fotografia, novas mídias, charges, cartoons, artes plásticas e tecnologia.
Os ingressos já estão disponíveis por valores promocionais que vão de R$120,00 (1 dia para Assinante da Revista Zupi) a R$ 250,00 (2 dias para Profissionais). Valores válidos até 12/09.

Para mais informações sobre a edição 2011 acesse o site oficial do evento.

Agência Digital Twiser
A Twiser é uma agência digital da cidade de Sorocaba com mais de um ano de existência. Atualmente tem aproximadamente 130 empresas como clientes atendendo em projetos digitais, consultoria e-commerce, gerenciamento de mídias sociais e produção de sites. Em sua carteira de clientes ela conta com empresas como Agência Mega Models, Expresso Sorocabano e Wet'n Wild.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Social Media pelo BRASIL - Salvador Parte I

Segundo recente pesquisa do IBOPE, Salvador foi apontada como a segunda capital com maior acesso as Redes Sociais, proporcionalmente, por seus habitantes. A taxa é de 77%, bem superior aos 64% de São Paulo, por exemplo. 
Mas será que as empresas estão sabendo aproveitar este filão para divulgar, monitorar e interagir com os seus consumidores? É isto que vamos tentar descobrir aqui no Blog.


A capital baiana, segundo o último censo do IBGE, conta com mais 2 milhões e meio de pessoas. A explicação para tamanho uso das redes sociais deve ser considerado tanto o turismo, a cidade é o maior destaque durante o Carnaval na web, como as mais diversas ações do governo de inclusão digital.

Ônibus Conectado
O Grupo Evangelista (GEVAN), que controla 35% da frota de Salvador, implantou um sistema inteligente que monitora as linhas em tempo real, transmite publicidade e ainda disponibiliza internet sem fio gratuita para os usuários. Segundo Wellington Freire, Presidente e CEO da Softwell - empresa que desenvolveu o projeto, a solução mostra como a tecnologia pode contribuir para tornar os transportes e as cidades mais inteligentes. “Algumas grandes cidades do mundo, a exemplo de Estocolmo e Cingapura, começaram suas transformações pelos seus sistemas de transportes, adotando soluções da IBM de Cidades Mais Inteligentes. Em Salvador estamos seguindo esse caminho e trabalhando com a IBM – nossa parceira – no desenvolvimento de um sistema de transporte que, com certeza, deixará a cidade mais instrumentada, mais interconectada e, sem dúvida, mais inteligente”, afirma Wellington.

Turismo Social
Como incentivo ao Turismo, o governo local promove ações nas Mídias Sociais gerando ainda mais Buzz e curiosidade para conhecer a cidade e sua famosa maratona de trios elétricos. O Twitter @turismobahia, Perfil oficial da Secretaria de Turismo da Bahia e da Bahiatursa, conta com quase 9.000 seguidores e destaca as principais informações e dicas turísticas.

O uso das redes é mais do que esperado, principalmente se considerarmos um  recém estudo da MITI  Inteligência que destacou a capital baiana como o destino mais citado na internet quando o assunto em pauta é a folia do Carnaval.
A interação vem desde os foliões, como a argentina Gabriela Fernanda “É a primeira vez que venho ao Carnaval de Salvador e estou adorando! É tudo bem animado, com muitas atrações e tudo que conheço por aqui eu posto no Facebook para mostrar aos meus amigos que estão longe” e àqueles que ficaram de fora da festa. “Como eu queria passar o Carnaval deste ano em Salvador!”, twittou a paulista Emilli Azevedo.

Mercado
O potencial deste mercado, como pode-se observar, é grande. Na próxima semana o Blog vai trazer alguns cases de empresas da região que já estão trabalhando (e muito bem) com as Mídias Sociais. Além do ativo público local nas redes, elas estão de olho também na visibilidade da cidade em todo o país.

Siga o Blog e acompanhe a série de posts especiais sobre as Mídias Sociais em Salvador. 


segunda-feira, 1 de agosto de 2011

O Poder das Mídias Sociais no Brasil - O Futuro Será Poderoso?

A preocupação das empresas com sua reputação nas Mídias Sociais está cada vez maior. Muitas vezes superior a vontade de propagandear e até mesmo vender no ambiente online. A atual percepção é de que uma marca pode ter uma perda incalculável de sua imagem perante ao mercado. Podendo até ser irreversível. 
É exatamente por isso que os mercados de SAC 2.0 e o monitoramento na rede, aspectos centrais deste post, estão cada vez mais em expansão. Isso sem mencionar no Marketing em si e a Geração de Conteúdo para as Redes Sociais. Esta é a tendência do início desta nova década, mas será que será que nos próximos anos o futuro será tão poderoso assim?


Considerando o fato de que menos de uma década atrás nosso conceito de amizade era completamente diferente, comunidades conectadas ainda era uma utopia e as empresas  nem imaginavam o poder que teriam nas mãos com as Mídias Sociais, prever um futuro para este movimento é trabalho de astrólogo ou vidente. 
Todos nós ainda estamos aprendendo com este mercado embrionário. Crescendo em paralelo. Mas ainda nos resta uma forma de agir com mais prudência, nos preparando para o que vem por aí. Podemos prever tendências.

Ameaça Invisível
Fóruns de discussão, reclamações no Twitter e protestos calorosos no ReclameAqui causam dores de cabeça em qualquer Social Media de plantão. Nenhuma empresa quer a sua marca envolvida com críticas negativas. Cases como o da BrastempArezzo e Telefônica mostram como a imagem pode ser abalada em questão de poucas horas no ambiente online.
Cada vez mais agências de comunicação digital e relações públicas estão se especializando em reversão de crise nas Mídias Sociais. Segundo Maristela Mafei, fundadora da agência Máquina Public Relations, em recente entrevista para o PR Interview  "O fortalecimento das mídias sociais despertou uma nova realidade para o mercado de comunicação. A interação e a agilidade, que sempre foram importantes, ganharam ainda mais relevância, e os produtos e os serviços de comunicação que não seguirem essa linha não terão espaço no mercado."

A questão para se pensar é: até quando vai continuar relevante para os internautas replicar informações negativas das empresas? 

Velocidade e Vínculos Fracos
Uma das maiores preocupações é a velocidade em que as informações viajam pelas redes sociais. Mas aqui vale destacar a velocidade em que estas mesmas informações caem no esquecimento.
O escritor americano Malcolm Gladwell afirmou no final do ano passado, em artigo da revista "The New Yorker", que a Revolução Não Será Twittada. Isso porque, segundo ele, “As plataformas dessas redes são construídas em torno de vínculos fracos. O Twitter é uma forma de seguir (ou ser seguido por) pessoas que talvez nunca tenha encontrado cara a cara. O Facebook é uma ferramenta para administrar o seu elenco de conhecidos, para manter contato com pessoas das quais de outra forma você teria poucas notícias. (...) vínculos fracos raramente conduzem a ativismo de alto risco.”
Partindo deste argumento e da observação das "revoluções" citadas no artigo, podemos observar uma inflada nuvem de contestadores sendo dizimadas em poucos instantes. O mesmo pode ser aplicado para consumidores 2.0? 
Muito provavelmente sim. O consumidor, quando atendido pela empresa, passa inclusive falar bem da mesma e os seus "amigos", mesmo ainda na fase de indignação e críticas, tendem a dedicar cada vez menos tempo e espaço para replicar estas mensagens.

Tatuagem
O grande problema em questão não é apenas os consumidores difamando as marcas por um período curto de tempo. E sim a característica de tatuagem presente na internet. Uma vez que certa informação é postada na rede, ele jamais desaparecerá.
Por mais que o conteúdo original seja apagado, as milhões de reproduções tornam praticamente impossível apagar uma mancha alastrada no ambiente online.

Até Quando Social?
Existe uma linha de crescimento notável no uso das Mídias Sociais em todo o mundo. Porém, quem garante que esta linha continuará a crescer? Como saber se de um dia para o outro as pessoas não vão deixar de se interessar com o compartilhamento de informações e manutenção de grupos sociais online?
Muito provavelmente a tendência das pessoas ficarem cada vez mais conectadas umas as outras, principalmente com a mobilidade tecnológica, é relativamente alta para os próximos anos. Mas afirmar com absoluta certeza de que esta é uma verdade universal pode ser tão errôneo como foi prever no início do século passado que os carros iriam voar nos anos 2.000.

Vale lembrar que não estamos falando de 2012 ou 2013 mas dos próximos 8 ou 12 anos. Não podemos nos acostumar apenas com pensamentos instantâneos e planejamentos a curto prazo. Pensar sobre o futuro é essencial na hora das empresas investirem em uma tendência ou um profissional em sua formação.

Respostas
Sobre o futuro do poder e impacto das mídias sociais não há uma resposta definitiva, muitas são as possibilidades. Este é um debate retórico que tem uma relevância considerável justamente pelo seu aspecto de não querer ser definitivo, mas sim um ciclo em constante evolução e transformação.

E você, o que acha do futuro nas Mídias Sociais? Ele será tão poderoso como promete?!


sábado, 30 de julho de 2011

Em casa de ferreiro...

Por qual motivo manter uma plataforma de Blog que está fadada ao fim e, definitivamente, não é a mais indicada para utilização?



Exatamente por isso estou trabalhando para o lançamento do Blog em domínio próprio, utilizando o Wordprees. Vou divulgar em breve o endereço manter os textos aqui, sempre valendo dizer que as novas atualizações estarão disponíveis apenas na nova plataforma.

Conto com a colaboração de vocês e uma visita quando estiver tudo pronto... ;)


Obs.: Enquanto isso, os textos serão publicados aqui normalmente.


Já diria o ditado: "Em casa de ferreiro, espeto de pau". 

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Social Media pelo BRASIL - Sorocaba Parte III

Após mais de um mês estudando e observando o mercado da cidade de Sorocaba, especificamente sobre o aspecto das Mídias Sociais, pude constatar algumas considerações relevantes que você poderá ler a seguir. Aproveito para agradecer a opinião de algumas agências, profissionais e empresas que gentilmente colaboraram com este blog.
Vale ressaltar que esto texto não é uma análise definitiva e também não tem valor científico. É apenas o ponto de partida para mais estudos e desenvolvimento do mercado.


Assim como nas principais praças do país (Rio-São Paulo), Sorocaba ainda está engatinhando quando o assunto é Mídias Sociais. As devidas proporções devem ser observadas nesta análise, mas o ponto de partida já foi dado.

Profissionalizar
As agências ainda estão se profissionalizando e aprendendo na prática como funciona este mercado - mesma lógica de praticamente todos os profissionais utilizam atualmente com Mídias Sociais, com a grande diferença que Sorocaba está aprendendo hoje o que já foi feito no ano passado.  
"Pesquisando, percebo que o mercado de mídia social vem ganhando terreno no interior da capital, mas ainda temos muito trabalho pela frente, muito valor para agregar. As próprias agências de São Paulo, estão buscando melhores maneiras de se trabalhar mídias, entendendo que não existe receita pronta e que cada cliente merece uma estratégia particular. Estratégia é palavra chave aqui.", conta Lilian Ferrer, Mídias Sociais na Softdesign Agência Web, agência que conta com cerca de seis meses de experiência com Social Media.

Evangelizar
Uma das maiores dificuldades está em conseguir evangelizar os clientes a respeito das Mídias Sociais. Conseguir convencê-los de questões básicas como o potencial da rede e que este é um canal em que o número [de likes e follows] não é o mais importante.
Outras questões que os empresários da cidade, em sua maioria, ainda não compreenderam é que eles próprios cuidarem das Mídias Sociais ou até mesmo contratar um profissional não qualificado para tanto não vão levar a marca a lugar algum. Além, é claro, de que empresa não é pessoa, sendo assim não pode ter perfil no Facebook e sim página. #ficadica


Evoluir
O mercado na cidade tem muito a evoluir, principalmente no conceito [errôneo] de que estar na rede já basta. As empresas precisam compreender que, na maioria dos casos, mesmo não perdendo diretamente com uma presença falha nas Mídias Sociais, o quanto elas deixam de ganhar é um valor, no mínimo, lastimável.

Em Agosto vou abordar a capital brasileira que é segundo lugar em número de acessos nas Redes Sociais.
Quer saber qual é? Siga o Blog ou volte na próxima quarta-feira para mais.

Até lá.



segunda-feira, 25 de julho de 2011

SUA EMPRESA mais SOCIAL

As possibilidades e poder existentes no uso das Mídias Sociais está chegando às principais empresas do país. Pequenas, médias e grandes. Todas querem estar na crista da onda e aproveitar desta "modinha" que está dominando o mercado. A verdade é que 90% delas vão falhar. E feio!


O primeiro erro - segundo o professor, blogueiro e empreendedor @interney - é a percepção de que tudo isso não passa de uma "modinha".48% da população brasileira já acessou internet. Desses, 60% acessa diariamente e 69% participam de redes sociais. Tem como dizer que isso é só uma "modinha"?
( Falarei mais sobre o futuro das Mídias Sociais na próxima segunda).


Não é uma Corrida
Uma grande maioria de empresários olham para o trabalho de seus concorrentes e querem sair na frente ou recuperar o tempo perdido. Contratam rapidamente uma agência, chamam um estagiário ou pior começam eles mesmos a criar um perfil no Twitter e um usuário no Facebook
É compreensível tal lógica de pensamento, afinal, "qualquer um" pode criar um usuário e começar a divulgar sua empresa. O problema é que esta lógica não só é falsa como pode acarretar sérias consequências à uma marca. Correr para entrar nas Mídias Sociais não é a solução. Existem 3 passos fundamentais a serem seguidos antes do primeiro Twitt se quer ser planejado.

Primeiros Passos
A primeira etapa é definir quem vai executar o projeto. Apesar do instinto primário direcionar para a contratação de um estagiário, por ele costumar passar quase que o dia todo conectado nas Redes Sociais, é preciso resistir a ele. Somente um profissional - ou uma agência - com experiência e conhecimentos necessários sobre o assunto poderão auxiliá-lo de maneira eficaz neste processo.
Por ser um organismo vivo e em constante mutação, a internet não tem um manual a ser seguido. Todas as regras e verdades caem e se renovam a cada dia.
Se para um especialista na área já é um desafio acompanhar todas estas alterações quase que diárias, imagine para quem ainda não conhece tanto sobre o assunto.

O segundo passo vai acompanhar todo o projeto. Nada deve ser iniciado sem uma análise minuciosa sobre a empresa, o mercado e os consumidores. É essencial saber o que falam da sua marca, o que estão fazendo os seus concorrentes e quem são os seus clientes conectados. Pode até parecer bobo dizer isso de tão óbvio, mas a maioria das companhias entram nas Mídias Sociais sem qualquer estudo prévio.
As mais diversas ferramentas estão disponíveis gratuitamente para que isso seja realizado. Algumas pagas podem também te dar informações mais detalhadas e de forma mais prática. Uma rápida pesquisa no Google pode trazer resultados relevantes para iniciar o trabalho. Mas aqui fica a recomendação de seguir o passo anterior antes de prosseguir.

Com um levantamento completo em mãos, é hora de começar a planejar quais mídias serão utilizadas, como conduzi-las e com que frequência. Como diria a @Ecommerce_girl: "Rede Social é planta, se não regar morre!" E esta é a mais pura verdade. 
Não basta estar presente. Ter por ter é melhor não ter. Por isso o planejamento é tão importante, sem ele fica impossível produzir conteúdo relevante, conquistar "fãs" da sua empresa e utilizar de forma eficaz a rede.

Empresa Social
Depois de estar trabalhando com os profissionais certos, uma análise feita e um norte definido é hora de por a mão na massa. Mas isso não significa que irá de prontidão inserir a marca nas Mídias Sociais e tudo será mil maravilhas.
Em paralelo aos primeiros passos, a própria companhia deve se tornar mais social. Como? 
Não faz sentido algum ter presença na rede se os próprios funcionários não estão integrados a ela. Antes de estar online, as Mídias Sociais devem estar presentes dentro da empresa

É óbvio que, ao contrário do que muitos acreditam, a internet não deve ser vista como uma terra sem leis. Principalmente no mundo corporativo. Os funcionários devem ser orientados sobre quais sites podem ser acessados e para qual finalidade. Se a pessoa não tem acesso aos perfis sociais da própria empresa em que trabalha, como vai dar credibilidade para a ferramenta? E mais: como ela se manterá informada sobre o mercado e sua profissão se os conteúdos relevantes são compartilhados hoje em dia por meio de vídeos, posts e Twitts?

ROI e Monitoramento
O monitoramento de qualquer ação nas Mídias Sociais é o segredo para o sucesso. Poder observar o retorno imediato de qualquer ação pela rede é uma de suas maiores possibilidades. Mas não é a única. O mercado de monitoramento deve ser um dos mais promissores nos próximos meses (como sempre, deve-se ter cautela ao falar na casa dos anos com relação à internet).
Uma das maiores preocupações das empresas é óbvio, está no retorno sobre o investimento nas Mídias Sociais. Muitos profissionais desavisados vão declarar ser impossível ou relativo esta medição. Isto, é claro, se ele não efetuar um planejamento com objetivos claros e um monitoramento efetivo.
Se sua agência - ou funcionários - não conseguirem entregar um relatório completo de resultados, CUIDADO! É claro que esses resultados não serão necessariamente apenas quantitativos, mas uma análise completa não deve ficar apenas com dados qualitativos. Eles são essenciais, porém os números, muitas vezes, dizem mais que mil palavras.

Vamos começar?
Se a sua empresa ainda está pensando se deve ou não entrar de vez nas Mídias Sociais, deixa eu te dar uma notícia: Ela muito provavelmente já esta lá!
Não necessariamente pelas mãos de um funcionário rebelde ou concorrentes, mas pelos seus consumidores. Eles já reclamam, elogiam, marcam e dão Check-in.

Existem feedbacks que seus consumidores estão te dando de forma gratuita na rede, possibilidades criadas todos os dias e informações que custaria milhões para obter de outras formas. E você aí, pensando se vale ou não a pena de estar presente em um ambiente que sua marca já é uma velha conhecida...



quinta-feira, 21 de julho de 2011

Sem um post

Olá leitores do Blog...

Vocês devem ter notado que a terceira parte da série sobre as Mídias Sociais em Sorocaba não foi postada ontem como programado.

O grande responsável foi o curso de Gerentes de Mídias Sociais que estou realizando na Ecommerce School. Em compensação, mais conhecimentos e técnicas serão demonstradas por aqui para o compartilhamento de conteúdo e troca de informações deste novo mercado que é a bola da vez.

Peço que aguardem até a próxima quarta-feira para a publicação do texto.

Agradeço a compreensão de todos.

- Obrigado.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Uma Nova Geração

A internet e redes sociais são coisas direcionadas para as novas gerações, crianças e jovens de até 35 anos, conectados e modernos. Certo? 
Se você concordou com a frase a cima, está na hora de rever seus conceitos. Uma nova geração está cada vez mais marcando presença na rede,  pessoas que ainda estão carentes de empresas que falem diretamente com eles. Uma lacuna enorme em que você pode estar ignorando.

Segundo a Info/Exame, pessoas com mais de 45 anos somam cerca de 9% e 5% de todos os usuários brasileiros ativos no Facebook e Orkut respectivamente. Estes números podem parecer inexpressivos em uma análise corrida, mas se considerarmos que  a rede social de Mark Zuckerberg conta hoje com mais de 18 milhões de usuários brasileiros e o site do Google com mais de 40 milhões, temos (somados) quase 4 MILHÕES de pessoas nesta faixa etária.
Nos Estados Unidos, mercado tendência para o Brasil, estes números são ainda maiores. Segundo um estudo da Pew Research Center Internet & American Life Project, o número de usuários entre 50 e 65 anos mais que dobrou neste último ano, passando de 9% para 20%.

O site Mais de 50, criado há 11 anos e com uma rede social própria desde 2008, é um dos poucos a explorar este público. "Muita gente nessa faixa etária se sente sozinha. Propomos uma interatividade entre pessoas que compartilham os mesmos problemas, objetivos e sonhos. É natural que haja dificuldade para usar a rede, mas o legal é que os próprios usuários se ajudam. Eles falam ‘clica em tal botão para fazer isso ou aquilo’, ‘aumenta a letra para 20 para ler melhor'", conta o diretor executivo do site, Sérgio Mota, de 60 anos.

Tendência
Com a expectativa de vida cada vez maior entre os brasileiros e a qualidade aumentando na mesma proporção, a população está envelhecendo e a tendência é que esta "nova geração" de idosos conectem-se cada vez mais. Este é  um nicho ainda pouco explorado pelas empresas. Esperar pode ser fatal na conquista de um mercado carente de iniciativas e abertos à novas formas de interação.




quarta-feira, 13 de julho de 2011

Social Media pelo BRASIL - Sorocaba Parte II

Depois da polêmica do case da semana passada na série de posts sobre o mercado de Social Media em Sorocaba, apresento outros dois Cases de Sucesso, segundo a minha visão analítica, na cidade. 



Empresa 2.0 - Nascida a partir da ideia de duas publicitárias em meados de fevereiro deste ano, a By Secrets é mais do que uma empresa de e-commerce. Segundo o blog da empresa, tem o objetivo de "suprir as necessidades da mulher moderna. Com um novo conceito e muita interatividade, a intenção é incentivar você a se cuidar mais e da forma certa."


Merece destaque como Case de Sucesso na cidade por ter as Mídias Sociais interligadas em todos os processos. Desde a divulgação até os comentários das fotos dos eventos realizados pela marca. "Nas redes sociais a coisa flui naturalmente, as meninas gostam de dar a opinião delas, de saber o que a opinião das outras clientes que usaram determinado produto, gostam de ver as fotos delas nos eventos, participando e fazendo a by Secrets acontecer. Elas sugerem posts, sugerem marcas de produtos..se sentem donas também, isso é muito gratificante.", afirma Camila Adriane, sócia e responsável pelas mídias sociais.
Durante os três meses em que estão presentes nas Redes, conquistaram mais de 100 seguidores e "likes" no Twitter e Facebook respectivamente. Além de 250 assinantes do blog e um mailing de mais de 800 mulheres. Mas os números, diz Camila, não são o mais importante. "Muita gente vem até a gente pq viu um retweet de uma amiga, nem por isso ela passa a seguir a by Secrets, mas muitas vezes ela conclui uma compra com a gente. Muitas delas vem até nós por 'descobrirem' produtos novos na timeline de suas amigas."

Em relação ao Orkut, que foi o tema do último post do blog, apesar de não estar listado no Blog Oficial da empresa, também recebe atenção. "A gente já vendeu muitos produtos lá. Por mais que nossos produtos de make e cuidados para a pele sejam relativamente mais caros que o da concorrência (avon, natura), nossos produtos de sex shop e Victoria's Secret estão com um preço excelente devido a parcerias com fábrica e amigos que vivem no exterior e nos mandam produtos. O que enxergamos é que as pessoas de menor renda $ estão ainda no orkut e buscam sex shop e VS e as pessoas de maior poder aquisitivo estão no Face e compram mto Mary Kay."

Para o futuro ainda estão previstas inovações que prometem ser novos cases a serem observados. "Vamos começar com brechó, tags em fotos e leilão no mês de agosto.", conta Camila.

Considerações: É bom ver que profissionais da cidade estão tendo uma visão de oportunidade de negócios com as mídias sociais. A empresa tem um caminho promissor pela frente se seguir oferecendo um serviço de qualidade e se renovando a cada dia. 


Bar Social - Com mais de 4.000 followers no Twitter e quase 2.000 likes no Facebook, o bar Asteroid é uma das empresas mais influentes (na rede) da cidade.


E esta não é apenas uma questão de números. Segundo Tiago Oliveira, responsável por Mídias Sociais da empresa, "Todo o projeto de mídias sociais do Asteroid foi delineado juntamente com o sonho do bar, meses antes da sua inauguração." Toda a publicidade, tanto online como offline, é feita entre amigos. "Apesar de muitas agências terem tentado prospectar o bar como cliente, tudo é feito por amigos, que são profissionais de comunicação. A equipe toda é muito bem conectada: o Rogerio é DA (Diretor de Arte) na NucleoTCM, eu sou Analista de Mídias Sociais - hoje em São Paulo, mas com passagem por TA Comunicação, Artmaker e NucleoTCM, o Poe coordena comunicação digital de uma marca de entretenimento infantil em Campinas, o Hertz, que é o DA offline, tem sua própria agência em Sorocaba e a DJ Talitha, embora não interfira diretamente na estratégia, participa das discussões e é Mídias Sociais na Artmaker. Tudo isso amarrado com as ideias do Mario, que são muitas.", explica Tiago.

O case merece destaque na cidade, além de sua influência nas redes, por não considerar as mídias sociais apenas como parte complementar de todo o processo, mas trabalhar de forma integrada e inteligente.  "Interagir e participar nas redes não significa, necessariamente, que irão frequentar a casa sempre. Existem muitas variáveis que influenciam a presença do público e não dependem da nossa vontade. (...) é muito fácil falar com quem está confortável em frente ao computador. Mas fazê-lo se mexer, ligar para os amigos, combinar um passeio e escolher o Asteroid é um esforço gigantesco de todos no bar", diz Tiago. "As redes sociais são apenas um suporte, mesmo com status de case de sucesso."

Vale ressaltar também envolvimento da marca com o público 24 horas por dia, mesmo que ele não vá para o bar. "Aproveitamos, por exemplo, os feriados prolongados, quando as pessoas viajam, para criar trilhas sonoras para a viagem. Nosso público pode não vir à casa, mas manterá contato com o que ele encontra aqui."

Considerações: Não é a toa que o número de usuários nas redes sociais do Asteroid são notáveis, assim como sua influência na rede. A empresa conta com uma equipe de amigos publicitários pensando em conjunto para as melhores soluções de marketing e relacionamento.


Na próxima semana, convido a todos para retornarem para ler a opinião das agências sobre o mercado de Social Media na cidade.

Até lá.



segunda-feira, 11 de julho de 2011

Orkut Vive!

Com o avanço do Facebook na classe C, o lançamento do Google+ e o declínio no número de usuários ativos no Orkut, muitas pessoas, inclusive publicitários, são levados a crer que o atual líder nas redes sociais morreu. Mas aí vai uma que muita gente desacredita: O Orkut Vive!


Esta constatação não é puro achismo deste blogueiro que vos escreve, o número e uma análise no mercado de social media provam isso sem deixar dúvidas.
É verdade que o número de internautas das Classe A e b migraram em debandada para o Facebook e que o ritmo de crescimento do Orkut está longe do de seus tempos áureos, mas ainda cresce. Segundo a ComScore, entre maio de 2010 e maio de 2011, o número de visitantes no Facebook cresceu 172% no Brasil, contra somente 20% do Orkut. E o número não aumenta ainda mais porque não tem mais para onde crescer. Em 2008, o IBOPE já registrava que 75% das pessoas que tinham acesso à internet (seja em casa, escola, trabalho, lanhouses etc) utilizavam a rede social do Google. A rede só pode crescer mais com o avanço da internet no Brasil. Como sabe-se disso?
Acontece que o layout do site é extremamente simples, ele costuma ser a porta de entrada à internet para a maioria das pessoas que estão começando a se informatizar e o fato de que a presença forte das classes C e D acabam atraindo e incentivando ainda mais adeptos do meio social.

Ignorar o Orkut em uma ação nas Mídias Sociais é o mesmo que ignorar as classes sociais emergentes, cada vez mais fortalecidas no país e com um poder de compras avassalador.

Algumas empresas já se atentaram a isso e saíram correndo na frente nesta "redescoberta" do site, após esta divisão de classes entre as redes.
Em junho deste ano a Coca-Cola Brasil lançou  uma comunidade oficial no orkut, "premiando" os internautas que participarem da rede com conteúdos especiais exclusivos e o skin - tema do site - “Os bons são maioria”, criado em homenagem aos 125 anos da marca. Em pouco mais de um mês da sua criação, a comunidade já ultrapassou a marca de 736 mil inscritos. Número alto para uma rede social morta, não?



O Google nega a predominância das classes menos favorecidas no site. "Na verdade o Orkut no Brasil é atualmente a rede social com maior diversidade entre classes sociais. Podemos comparar a audiência do Orkut, em território nacional, com a novela do horário nobre, já que atinge todas as classes sociais do país", disse Valdir Leme, gerente de marketing do Orkut, à BBC Brasil.

Esta é a mais pura realidade. Afinal, as pessoas ao criarem um perfil em uma nova rede social, não excluem automaticamente o da antiga. A migração é gradativa e a tendência no comportamento do internauta é ter cadastro em várias e utilizar cada uma de forma particular. 

Portanto, antes de dar às costas as possibilidades oferecidas na maior rede social do país, pense novamente. O Google não vai descontinuar o Orkut por causa do lançamento do Google+ e o número de internautas ativos no site não vai desaparecer. Mesmo que o Facebook ou qualquer outra rede assuma o posto de queridinho do Brasil, seu público continuará lá. Pelo menos nos próximos semestres. 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Por que o Pin Up Motel é um case de Sucesso?

Nos últimos dois dias acompanhei os comentários inflamados aqui no Blog do post Social Media pelo Brasil - Sorocaba Parte 1. Primeiramente gostaria de agradecer a todos que leram o texto e os mais de 50 comentários sobre o assunto. 
Muito se disse sobre a empresa, os profissionais envolvidos e o mercado como um todo. Vale ressaltar que somente o fato do texto ter gerado debate sobre social media na cidade, significa que ele alcançou seu objetivo: analisar, discutir e encontrar novas formas de melhorar o mercado.


Falando especificamente sobre o case Pin Up - pivô de toda a polêmica - confesso que foi proveitoso diversos argumentos relatados e que mantenho meu ponto de vista a respeito de seu sucesso. E digo o porquê: 

Contexto

Antes de começar a apontar qualquer argumento é preciso contextualizar. 

Estamos falando do mercado de Sorocaba. Segundo levantamento que estou realizando nas últimas semanas (e disponibilizarei em breve aqui no Blog), a cidade tem pouco mais de 100 empresas no Facebook, número parecido com o do Twitter. Destas, poucas são as que realmente tem algo relevante das mídias sociais. A grande maioria apenas está presente e tem pouco ou nenhum conteúdo.

O Que é um Case de Sucesso?

Aqui vale ressaltar que esta é apenas a opinião de um profissional, estudante e entusiasta de mídias sociais.

Vamos primeiro tentar definir sucesso. Segundo o dicionário Michaelis:  
sm (lat successu)
  1. Aquilo que sucede ou sucedeu; acontecimento.
  2. Resultado bom ou mau de um negócio.
  3. Conclusão.
  4. Êxito, resultado feliz.
  5. O mesmo que parto.
  6. Reg (Nordeste e Minas Gerais) Desastre: Morreu de sucesso. Mau sucesso, pop: aborto.
Neste caso específico vamos ficar com a definição de número 4 (Êxito, resultado feliz).

Diante disso, podemos definir que um case de sucesso é um case que obteve êxito em seus objetivos. Certo?

A Escolha

A escolha dos Cases a serem abordados nesta série de posts (o PinUp e os outros dois a serem publicados na próxima semana) foi feita considerando uma série de fatores como: número de seguidores (amigos e likes), relevância dos perfis, interação com a rede e alcance dos objetivos. Não necessariamente nesta mesma ordem. Baseando-se sempre no levantamento que estou realizando.
Além disso, exclui instituições de ensino, bandas e conjuntos musicais, programas de TV e o segmento de compras coletivas - porque atualmente estou envolvido demais com a área para expressar uma posição imparcial.

Um Motel para Chamar de Seu

Respondendo agora diretamente ao Helfenstein e a todos que comentaram no texto anterior, eu escolhi o Pin Up como um dos cases a ser destacado pelo Blog por acreditar que as ações em mídias sociais da empresa atingiram com êxito o objetivo de transmitir um conceito diferenciado, ainda inédito no mercado da cidade, fortalecer sua marca e interagir com seus clientes. Não posso aqui afirmar que este era o objetivo real da agência e do anunciante, que podem falar muito melhor do que eu sobre isso, esta é apenas uma suposição.
Acompanho os perfis, tanto do Facebook como do Twitter, já a algum tempo e não os considero apenas um número. Presenciei interações com clientes em ambos os perfis e os comentários sobre a maioria do conteúdo postado ali por eles. Inclusive já efetuei críticas na página deles sobre postagem que achei de mal gosto, assim como os já elogiei. Todas respondidas.

Resumo da Ópera

O Pin Up pode ser considerado um dos melhores cases? Esta é uma pergunta para se pensar a respeito, até porque isto é muito relativo e rankear nunca foi meu objetivo. O Pin Up tem erros e acertos, como a maioria das empresas envolvidas com Social Media em todo o Brasil, exatamente por esta ser uma mídia relativamente nova. Inclusive apontei um dos erros deles no corpo texto.
Todavia, se tratando de mídias sociais no atual mercado de Sorocaba e considerando que o conceito da marca atingiu de forma eficaz ao público alvo, destaco sim o Pin Up como um case de sucesso. A ser discutido e debatido? Definitivamente. Mas não seria esse o principal objetivo de analisar um case?


Posição do Blogueiro

Declaro-me inteiramente a favor do livre debate, tanto que não realizo moderação nos comentários Blog. Creio que este espírito de debate livre na rede é uma de suas principais características.  Quem está certo? Quem está errado? Esta não é a questão. Se cada uma das mais de quatrocentas pessoas que visitaram o Blog nos últimos dois dias se dedicarem apenas um minuto em como inovar, melhorar e se relacionar com as mídias sociais, tenho a absoluta certeza que em poucos meses terei que postar um Case de Sucesso por dia na cidade :)

Espero que vocês voltem na próxima quarta,13, para acompanhar esta série de posts com mais dois Cases de Sucesso em Social Media em Sorocaba. Até lá.




quarta-feira, 6 de julho de 2011

Social Media pelo BRASIL - Sorocaba Parte I

Nem só de números na casa dos milhões e marcas nacionais e multinacionais vivem as Redes Sociais. A partir de hoje, vou atrás de cases, positivos e negativos, longe das grandes praças do país.
Todo e qualquer tipo de informação, principalmente se veiculado por meio das Mídias Sociais, viaja mais rápido que a velocidade da luz, impactando o internauta, não importando onde ele esteja. Será que as Agências de Publicidade e as Empresas estão prontas para isso?
Vou começar com uma análise não tão distante:

Exatamente a 100 km da capital de São Paulo, Sorocaba é a quarta cidade mais populosa do interior do estado. Segundo o IBGE tem quase 600.000 habitantes e é a vigésima nona cidade brasileira com maior potencial de consumo. É também a cidade onde este blogueiro que vos escreve reside há 20 anos.
A prefeitura da cidade incentiva a inclusão digital dos moradores com pontos gratuitos de internet sem fio e locais de acesso, também gratuitos, a laboratórios de informática conectados em prédios públicos e escolas municipais. Além de cursos voltados para todas as idades.

  Imagem de um dos laboratórios com cursos de informática.

Tanto no Facebook como no Twitter estão presentes, segundo levantamento exclusivo do Blog*, mais de 100 empresas da cidade, dividias entre Fan Pages e perfis. 

* O levantamento é parcial e foi realizado entre os dias 01 e 05/07/2011. Em breve o disponibilizarei em sua versão completa.

Erros Clássicos

Assim como já era esperado, grande parte das empresas estão nas Mídias Sociais apenas para fazer figuração. Sem muita experiência na área e profissionais qualificados, chega a ser irônico o fato de empresas líderes em seus segmentos na cidade ter meia dúzia de seguidores no Twitter.
Outro clássico 'problema' detectado nas instituições da cidade que estão inseridas nas mídias sociais é a confusão clássica entre Perfil e Fan Page (Página) no Facebook. Ainda farei um texto especial para falar da diferença entre estas duas plataformas, mas vale pontuar aqui o fato de que elas são díspares e até mesmo o Facebook proíbe que empresas criem um perfil no site, se passando por uma pessoa.
O mais irônico é que não são apenas as companhias que cometem este equívoco, mas agências de publicidade - até mesmo algumas especializadas em mídias digitais - criam perfis para seus clientes.

Cases de Sucesso (Parte 1)
Apesar de um deslize aqui outro lá (encontrados também em muitas multinacionais por aí), existem alguns cases que valem a pena serem observados. Como é o caso deste que abre a série de estudos de caso na cidade:

Um Motel para Chamar de Seu -
Apesar do motel-conceito Pin Up manter simultaneamente um Perfil e uma Página no Facebook. Esta é definitivamente uma das empresas mais prazerosas de se seguir atualmente.

Com sacadas geniais de duplo sentido, tanto o perfil do Twitter (527 seguidores) como o do Face (2.241 "amigos" e 406 "likes") são utilizados para divulgação de seu conceito diferenciado, fortalecimento da marca e relacionamento com o cliente. 
Ainda faltam algumas investidas mais ousadas, como sua bem humorada publicidade, para ações na rede. Mas ainda sim sua marca está cada vez mais se tornando sinônimo de qualidade e bom gosto.
Segundo Eduardo Fusco Calvilho, gerente do Motel, em uma entrevista concedida ao Blog, a agência de publicidade e a empresa trabalham juntas na manutenção das redes sociais. 

"No começo era somente o motel, aos poucos a agencia foi identificando a importância e a necessidade de 'profissionalizar' o conteúdo de ambos. Lembro que a agencia não tinha experiencia no assunto, no entanto, em conjunto com o motel, ela vem superando nossas expectativas, eis que demanda muita criação a inserção de 3 ou 4 artes semanalmente."
Eduardo ainda afirmou que o Motel tem ciência da diferença entre as Páginas e os Perfis no Facebook. "Existem diferenças brutais entre a fan page e o perfil de usuário, uma das mais importantes delas, destacaria as estatísticas". E que a substituição de uma pela outra é inevitável. "temos que admitir que será inevitável, tendo em vista que ela foi criada exatamente para um perfil corporativo. Essa diferença entre amigos e fãns, se deve principalmente ao fato de que para que uma pessoa se torne fã, ela precisa adotar um comportamente ativo em relação á página da empresa, o que acaba sendo muito importante para nós."
Na prática, pela visão do Pin Up, ainda existem poucas influências diretas nos resultados da empresa pelas Mídias Sociais, mas a presença na rede deve ser cada vez mais presente."Acreditamos que essa é uma via de mão única. Não há como ficar alheio a esse tipo de comunicação", disse Eduardo.

Uma coisa é certa: em menos de um ano de existência, o Motel conseguiu construir a sua marca e estabelecer um conceito diferenciado, antes inédito, em seus consumidores. 


Como uma semana não é suficiente para explorar as mais diversas características e possibilidades nas Mídias Sociais em uma cidade, este post está dividido em mais de uma parte. A Segunda será lançada na próxima quarta-feira,13. Siga o Blog e fique sabendo sempre que tiver um novo texto publicado.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...